Se você namora, não leia esse texto hoje.

Sempre achei que namorar é complicado. Primeiro porque, se você é daquelas pessoas que está mais disposta a encontrar uma pessoa pra sua vida em vez de simplesmente encabeçar o status ‘namorando’ no Facebook, é muito difícil selecionar esse candidato. Ao meu ver namorar é um coisa profunda, tem muita gente no mundo, tem muita gente que pode ser só um companheiro de domingo de noite e pizza no sofá, mas muitos desses não são os companheiros pra vida. Tem gente até que te faz acreditar que é a pessoa pra sua vida, e aí dá um tempo e você percebe que, por carência ou por preguiça de procurar, você errou completamente.

Tenho um amigo que diz que namorar é muito difícil porque namoro é como sintonizar uma rádio e as duas pessoas precisam estar na mesma frequência, no mesmo tempo. Eu acredito nisso. E acredito que namorar tem a ver com índole, com costumes, com educação, tem a ver com muita coisa que nem sempre a gente consegue achar nessas muitas pessoas que o mundo coloca na nossa frente. Eu mesma namorei duas vezes na vida e à partir de então sinto que fica cada vez mais difícil sintonizar a rádio com alguém.

Ao meu ver, passar do estado solteira pro estado namorando exige um custo x benefício, afinal estar solteira também pode ser muito legal. Costumo dizer que na minha vida existem dois períodos críticos quando o assunto é relacionamento: estar solteira e passar a namorar; e estar namorando e ficar solteira. Em um deles é estranho perder a liberdade – ok, um namoro gostoso e verdadeiro não tira a liberdade de ninguém, mas também não admite todas as saídas que uma solteira pode dar; e no outro é difícil porque estar tranquila em casa de sábado à noite também é tão prazeroso quanto estar na pista o resto dos dias do ano.

Eu critico namoro quando vejo que é coisa forçada, construída a base de traição, quando as pessoas não se acrescentam ou quando é pura carência de alguma das partes, mas também sei reconhecer os namoros que são lindos e verdadeiros.

Eu passei o ano novo com cinco casais e duas pessoas solteiras (uma delas era eu). Esses casais se amavam tanto e tinha tanta entrega alí que comecei a achar que o problema era eu. Mas não tem problema nenhum, talvez uma exigência a mais ou a menos que, infelizmente, pra mim são necessárias mas também me gerou uma vontade de abrir meu coração com mais frequência.

Portanto passarei esse dia dos namorados desejando só os namoros verdadeiros, o resto, vocês vão me desculpar mas tomara que acabem todos. Eu quero estar cercada de namoros que me inspirem e me dêem vontade de ter isso na minha vida, do contrário prefiro namorar meus amigos, me apaixonar a cada esquina. Se o namoro é bom ele é o que é, e é lindo assim. E se não tem namorado, a vida também tem muito assunto pra entreter, nem que for simplesmente escrever um texto sobre o dia dos namorados.

Por Giovana Barbieri